REST

(7 minutos de leitura) No cenário atual, em que a comunicação entre sistemas distribuídos é essencial, surgiu o REST. Trata-se de um estilo arquitetural amplamente adotado para o desenvolvimento de APIs na web. Neste artigo, exploraremos em detalhes o conceito do REST, seus princípios fundamentais, sua arquitetura e suas aplicações práticas.

REST

(7 minutos de leitura)

No cenário atual, em que a comunicação entre sistemas distribuídos é essencial, surgiu o REST (Representational State Transfer). 

Trata-se de um estilo arquitetural amplamente adotado para o desenvolvimento de APIs na web. 

Neste artigo, exploraremos em detalhes o conceito do REST, seus princípios fundamentais, sua arquitetura e suas aplicações práticas.


O QUE É REST?

REST, ou Representational State Transfer, é um estilo arquitetural que estabelece um conjunto de princípios e restrições para o design de sistemas distribuídos. 

O REST foi introduzido por Roy Fielding em sua tese de doutorado em 2000, onde também descreveu a arquitetura do Protocolo HTTP (Hypertext Transfer Protocol).

Diferentemente de outros estilos arquiteturais, como o SOAP, o REST é mais simples e baseado em padrões e protocolos web existentes. 

O estilo utiliza princípios fundamentais da web, como URIs (Uniform Resource Identifiers), HTTP e XML ou JSON para a representação dos dados.


CONCEITOS FUNDAMENTAIS DO REST

Para compreender plenamente o REST, é importante conhecer seus conceitos fundamentais:

Recursos: No REST, tudo é considerado um recurso, seja um objeto, uma representação de dados ou uma coleção de informações. Cada recurso é identificado por um URI (Uniform Resource Identifier) único.

Métodos HTTP: O REST utiliza os métodos do protocolo HTTP, como GET, POST, PUT e DELETE, para realizar operações nos recursos. Por exemplo, o método GET é usado para obter informações sobre um recurso, enquanto o método POST é usado para criar um recurso novo.

Representações: Os recursos no REST podem ser representados em diferentes formatos, como XML (eXtensible Markup Language) ou JSON. A escolha da representação depende das necessidades e preferências do sistema ou aplicativo.

Stateless: O REST é stateless, o que significa que cada solicitação feita ao servidor deve conter todas as informações necessárias para ser processada. O servidor não mantém nenhum estado sobre as solicitações anteriores do cliente.

HATEOAS: O princípio HATEOAS (Hypermedia as the Engine of Application State) é uma das características-chave do REST. Ele sugere que as respostas do servidor devem conter links (hiperlinks) que permitam ao cliente descobrir e navegar para outros recursos relacionados.


ARQUITETURA REST

A arquitetura REST é baseada em um conjunto de restrições e princípios que visam à simplicidade, escalabilidade e interoperabilidade. As restrições mais importantes são:

Interface uniforme: O REST define uma interface uniforme para as interações entre cliente e servidor. Essa interface consiste em métodos HTTP padronizados, URIs para identificar recursos e a representação dos dados em um formato conhecido, como XML ou JSON.

Client-Server: O REST separa o cliente (aplicativo que consome os recursos) do servidor (aplicativo que fornece os recursos). Essa separação permite que os componentes evoluam independentemente e promove a escalabilidade.

Stateless: Como mencionado anteriormente, o REST é stateless, ou seja, cada solicitação feita ao servidor contém todas as informações necessárias para ser processada. Isso permite que os servidores sejam altamente escaláveis e simplifica a manutenção do sistema.

Cache: O REST suporta cache, permitindo que as respostas do servidor sejam armazenadas em cache pelo cliente ou por servidores intermediários. Isso melhora a eficiência e a escalabilidade do sistema.

Sistema em camadas: O REST permite a inclusão de camadas intermediárias, como servidores de cache ou gateways, para melhorar o desempenho, a segurança e a escalabilidade do sistema.


BENEFÍCIOS DO REST

O REST oferece uma série de benefícios que o tornam uma escolha popular para o desenvolvimento de APIs web:


1) SIMPLICIDADE

O REST é baseado em padrões e protocolos web existentes, o que o torna fácil de entender e implementar. Sua abordagem simplificada e baseada em recursos facilita a criação de APIs intuitivas e de fácil utilização.


2) ESCALABILIDADE

A arquitetura stateless do REST permite que os servidores sejam altamente escaláveis. Cada solicitação contém todas as informações necessárias, eliminando a necessidade de manter estados ou sessões no servidor.


3) INTEROPERABILIDADE

O REST é independente de plataforma e linguagem, o que significa que aplicativos desenvolvidos em diferentes tecnologias podem se comunicar usando a interface uniforme do REST. Isso facilita a integração de sistemas e promove a interoperabilidade entre sistemas heterogêneos.


4) FLEXIBILIDADE

O REST suporta diferentes formatos de representação, como XML e JSON, permitindo que os clientes e servidores escolham o formato que melhor atenda às suas necessidades.


5) SUPORTE A CACHE

O REST suporta cache, o que melhora o desempenho e a eficiência das interações entre cliente e servidor. As respostas podem ser armazenadas em cache e reutilizadas quando necessário, reduzindo a carga no servidor e melhorando a experiência do usuário.


APLICAÇÕES PRÁTICAS DO REST

O REST é amplamente utilizado em uma variedade de aplicações e cenários, incluindo:


1) APIs WEB

O REST é um dos estilos arquiteturais mais populares para o desenvolvimento de APIs web. Ele oferece uma abordagem simples e escalável para expor e consumir recursos em uma arquitetura distribuída.


2) INTEGRAÇÕES DE SISTEMAS

O REST é utilizado na integração de sistemas, permitindo a troca de informações entre aplicativos e sistemas heterogêneos. Por meio de APIs RESTful, diferentes sistemas podem se comunicar e compartilhar dados de maneira eficiente e padronizada.


3) APLICATIVOS MÓVEIS

O REST é amplamente adotado no desenvolvimento de aplicativos móveis, pois permite que os aplicativos se comuniquem com servidores e consumam serviços web de forma eficiente. Os recursos stateless e a simplicidade do REST são especialmente adequados para as restrições e requisitos dos aplicativos móveis.


4) INTERNET DAS COISAS (IoT)

Com o crescimento da Internet das Coisas, o REST desempenha um papel fundamental na comunicação entre dispositivos inteligentes. Ele permite que os dispositivos sejam expostos como recursos e se comuniquem de maneira padronizada e interoperável.


CONCLUSÃO

O REST (Representational State Transfer) é um estilo arquitetural amplamente utilizado para o desenvolvimento de APIs web e sistemas distribuídos. 

Com seus conceitos fundamentais, como recursos, métodos HTTP e representações de dados, o REST oferece simplicidade, escalabilidade, interoperabilidade e flexibilidade. 

Sua arquitetura stateless e o suporte a cache tornam-no adequado para uma ampla gama de aplicações, desde APIs web até integração de sistemas e aplicativos móveis. 

Como parte essencial da web moderna, o REST continuará a desempenhar um papel vital na troca de informações e na interconectividade entre sistemas distribuídos.


E aí? O que achou do nosso conteúdo? Não deixe de nos seguir nas redes sociais para ficar muito bem-informado!
Compartilhe este artigo em suas redes sociais:
Avalie este artigo:
[yasr_visitor_votes size=”medium”]

Conteúdo

Nossos artigos mais recentes

Leia sobre as últimas tendências na área de tecnologia
Blog 23-05-min
Você é apaixonado por programação e está sempre em busca de maneiras...
Blog 21-05
A tecnologia blockchain está transformando várias indústrias por meio dos aplicativos descentralizados...
Blog 16-05
Neste texto iremos falar sobre um assunto primordial na programação: o bem-estar...

Extra, extra!

Assine nossa newsletter

Fique sempre atualizado com as novidades em tecnologia, transformação digital, mercado de trabalho e oportunidades de carreira

Lorem ipsum dolor sit amet consectetur. Venenatis facilisi.